Dicas de Fotografia Food Styling

Dicas de Fotografia Food Styling

O sabor pode ser fantástico, mas a verdade é que os olhos também comem. E nada como umas belas fotografias de comida para abrir o apetite aos teus seguidores nas redes sociais. Quer sejam pratos feitos por ti ou criações de um chef afamado, vale a pena seguires as nossas dicas para obteres resultados deliciosos e mais, muitos mais likes.  

TOCA A PÔR A MESA

 Toca-a-por-a-mesa 
A produção é essencial a um enquadramento e composição de sucesso. Nem penses em dar uma garfada que seja antes do clique. O prato deve estar imaculado e, de preferência num cenário impecável. O empratamento conta muito, por isso, torna o motivo da fotografia o mais bonito e elaborado possível. Só para teres uma ideia, algo tão simples com umas folhas de manjericão ou um tomate cherry são, muitas vezes, os toques de cor que transformam a massa do costume num prato fotogénico.Tem ainda atenção ao recipiente e à superfície onde está. Uma travessa decorada e uma toalha branca raramente desapontam os adeptos das fotografias gastronómicas. Uma bonita bancada de cozinha ou mesa de madeira podem também fazer maravilhas. Nada como ires produzindo diversos cenários, acabarás por criar um sentido estético e dominar a arte da composição e do enquadramento num abrir e fechar de olhos.  

FAÇA-SE LUZ


Faça-se-luz 

Nada como a luz natural para favorecer a comida. Velas e lâmpadas de halogénio típicas das cozinhas podem ser a causa de um desastre fotográfico e usar o flash também não é a melhor das ideias. Se o food styling é algo que levas mesmo muito a sério, sugerimos-te que invistas em acessórios de iluminação, como, por exemplo, uma softbox, que difunde a luz tornando-a mais uniforme. Mas acima de tudo, usa e abusa da luz natural, a incidir lateralmente, de preferência. Os dias nublados são perfeitos para fotografias de comida perto de janelas e tem sempre à mão um guardanapo ou toalha branca que reflitam a luz. Para que nunca te restem dúvidas, tem uma coisa em mente: os brancos devem aparecer sempre brancos na imagem, nunca azuis ou amarelos – isso é sinal de que a tua fotografia só merece um final: o delete.  

ATENÇÃO AO ÂNGULO

 Atenção-ao-angulo 
Escolhe um smartphone ou câmara que te permita aproximar o mais possível do prato de modo a captares todos os seus detalhes, ou seja, tem atenção à distância mínima de foco. Cada fotógrafo terá o seu estilo, mas o ângulo picado (de cima para baixo, paralelo ao objeto) é o que, de forma geral, mais valoriza a comida. Outra opção a ter em conta é o ¾, que é como quem diz o ângulo que tens quando estás sentado à mesa e que funciona muito bem quando os pratos são generosos em altura, como hambúrgueres ou montes de panquecas, ou a comida apresenta muitas camadas e texturas.  

 

ISO, ABERTURA E VELOCIDADE: A TRILOGIA MÁGICA

Iso-abertura-e-velocidade-a-trilogia-mágica 

Quer uses smartphone ou câmara, é importante teres atenção a alguns valores antes de clicares. O primeiro será o ISO, ou seja, a sensibilidade à luz. Quanto mais alto, menos iluminação precisas, mas se exageras terás uma imagem cheia de grão. Vai até ao 500 e não te esqueças de fazer testes para veres os resultados com diferentes ISO. A abertura do diafragma (que determina o espaço por onde entra a luz) vai ser fundamental para a área focada. Quanto mais pequena, menos área ficará nítida, o que poderá ser útil para destacar o teu prato. Por último, o obturador determina a velocidade a que a luz entra. Se escolheres uma lenta, deixas de ter grandes problemas com a iluminação, mas aconselhamos-te a estabilizar o smartphone ou a câmara, ou arriscas-te a ficar com uma imagem tremida. Só precisas escolher entre um estabilizador, tripé ou monopé.

EDIÇÃO: FILTROS OU NEM POR ISSO

Edição-filtros-ou-nem-por-isso 

O formato RAW é o mais indicado se és fã da edição fotográfica. Ao contrário do JPEG, não é comprimido, o que se traduz numa imagem mais completa e com mais informação editável. O RAW é a opção da maioria dos profissionais que usam câmaras digitais, estando também já acessível em alguns smartphones e em apps para Android e IOS.Vale a pena lembrar-te que podes sempre recorrer a ferramentas oferecidas pelas próprias aplicações, como o caso do Instagram. Dá uma vista de olhos pelos filtros, experimenta, mas aposta sobretudo em variáveis como temperatura, contraste ou saturação, por exemplo. Sabias que um prato amarelado pode ficar branco se baixares um pouco a temperatura? E que se fores a definir, a textura de muitos ingredientes sai a ganhar? Mas nada de exageros neste último ou ficarás com uma imagem cheia de ruído.  Agora que já ficaste com algumas pistas para fotografias de ver e chorar por mais, toca a experimentar. Que tal preparares a tua especialidade, capturares e partilhares com os teus seguidores do Instagram?

Voltar para o blogue